‘A farsa do impeachment’ por Ricardo Melo, uma das poucas vozes da mídia familiar que fala a verdade. No jornal Folha de São Paulo.
7 Aposentado Invocado by Helio Borba  /  3h  //  keep unread  //  hide  //  preview

Ricardo Melo

A farsa do impeachment

“Nós vamos perder, mas vamos sangrar estes caras até de madrugada”. A frase de Aécio Neves, reproduzida em reportagem da sempre atenta Daniela Lima, desta Folha, resume melhor que tudo o programa da oposição ao governo Dilma. Não que seja exatamente original, em se tratando do autor. Ele mesmo, durante a campanha eleitoral, soltou outra pérola de nível parecido aos que aceitavam trocar de candidato como se troca de camisa: “suguem mais um pouquinho e depois venham para nós”.
Por trás do palavreado da alcateia a favor do impeachment da presidente reeleita, existe uma verdade irrefutável. As investigações, mesmo atabalhoadas, da Operação Lava Jato, desnudam um esquema de corrupção que não vem de hoje, nem de ontem. E o principal: revelam o modus faciendi de convivência entre a elite empresarial e o Estado brasileiro. Pode parecer paradoxal, mas esta é a chave que torna os pedidos de impedimento uma farsa absoluta.
O Brasil teve um episódio de impeachment, o de Fernando Collor. Pausa para breve volta ao passado. Quem tinha acesso aos humores do tubaronato percebia o andar da carruagem. “Dez por cento tudo bem, mas o PC Farias está pedindo trinta, quarenta. Assim não dá. ” A lamúria era repetida por dez entre dez ricaços que construíram fortuna à sombra de negócios escusos.
Mas não era o suficiente: além de ir com muita sede ao pote e romper o código do pessoal de cima, a turma de Collor era um fracasso completo em termos populares. Confiscou poupança, perdeu da inflação e foi incapaz de promover qualquer progresso. Conseguiu brigar com todo mundo, tanto com os endinheirados que bancaram sua eleição como com os desavisados que viram o “caçador de marajás” ser o maior de todos os marajás. Sua queda era questão de tempo.
O momento agora é distinto. O que está exposto à execração pública não é a ação de uma camarilha isolada. É o envolvimento do “crème de la crème” do empresariado local –e internacional– com práticas de achaque ao Estado. Nem o tucano mais inflamado, no íntimo, acredita que o esquema começou com administrações petistas. O inquérito sobre a bandalheira no sistema de transporte de São Paulo fala por si só. A operação Castelo de Areia, interrompida por chicanas jurídicas, também ilustra a promiscuidade entre os senhores do dinheiro e os negócios de Estado –seja quem for o gerente de plantão.
São estas as relações que vêm sendo escrutinadas. Não à toa pesquisa Datafolha deste domingo traz resultados aparentemente contraditórios: se muita gente acha que Dilma tem culpa no cartório, outros tantos aprovam a sua gestão. Mais: apontam o governo dela como o que mais combate a corrupção, com larga vantagem sobre os antecessores. Sintomático, não?
Alguém poderia achar que o resultado indica que o brasileiro se acostumou com o “rouba mas faz”. Nada disso. A maioria trabalhadora, honesta, que conta os trocados para sustentar a família, não tem nenhum tipo de conivência com roubalheiras. Mas, da mesma forma, não imagina gente como Aécio Neves, José Serra (que declarou em alto e bom som considerar cartel uma coisa normal) ou Fernando Henrique (que conquistou a reeleição na base do dinheiro vivo) no papel de guardiões da honestidade.
Disse um compositor: “Chove lá fora, e aqui tá tanto frio. Me dá vontade de saber. Aonde está você?”. No sábado, durante mais um protesto de gatos pingados em São Paulo a favor da intervenção militar e impeachment, ouviu-se lamento semelhante da boca do mesmo personagem: “Só tem inimigo aqui. Cadê o Aécio, o Caiado? Se eu passo aqui e vejo esse pessoal, acho que é tudo a mesma coisa. Estou pagando de otário”. É Lobão, a vida não é fácil.
Visit Website
3h 1
Reportagem modelo contra Dilma, Lula e o PT. Sobre a obra maravilhosa da transposição do rio São Francisco nem uma palavra. Críticas aos borbotões, mas quando a obra ficar pronta como muitas nem um único elogio. Aeroportos e estádios de futebol novos que dão conforto para a população foram esquecidos porque é proibido elogiar o PT e seus governos. Armazenagem errada coloca em risco R$ 1 bi em máquinasDIMMI AMORADE BRASÍLIA Quase R$ 1 bilhão em equipamentos como válvulas, bombas, tubos e comportas da obra de transposição do rio São Francisco estão armazenados de forma imprópria, com risco de que se danifiquem antes mesmo do início de seu funcionamento. O material está no chão ou em locais sem proteção, com risco de ratos, aves e insetos esta
4h 1
Reportagem modelo contra Dilma, Lula e o PT tem juízo de valor aos borbotões, críticas, análises, entrevistas e tudo mais que tem direito. Manifestantes em SP protestam contra Dilma e escândalo na Petrobras DANIELA LIMALEANDRO MACHADODE SÃO PAULO Um novo protesto contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) reuniu cerca de 5.000 pessoas na tarde deste sábado (6) na região da avenida Paulista, em São Paulo. O ato foi marcado por uma divisão entre manifestantes contra e a favor de uma intervenção militar no país. Os organizado
4h 1
Em reportagem contra o PSDB não se vê juízo de valor, críticas ou as famosas ilações que se faz contra o PT. É triste! No jornal Folha de São Paulo. Alckmin defende presidente da CPTM indiciado pela PF DE SÃO PAULO O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu o presidente da CPTM, Mário Bandeira, indiciado pela Polícia Federal (PF) em investigação sobre o cartel de empresas que fraudou licitações de trens em São Paulo entre 1998 e 2008. O tucano elogiou o executivo e informou que o governo estadual deve analisar os documentos
4h 3
Reportagem modelo sobre o PSDB, não tem juízo de valor e muito menos ilações como se faz com o PT é apenas uma notinha de canto de página. A democracia sangra. No jornal Folha de São Paulo. Alckmin defende presidente da CPTM indiciado pela PF DE SÃO PAULO O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu o presidente da CPTM, Mário Bandeira, indiciado pela Polícia Federal (PF) em investigação sobre o cartel de empresas que fraudou licitações de trens em São Paulo entre 1998 e 2008. O tucano elogiou o executivo e informou que o governo estadual deve analisar os documentos
End of feed

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s