Perigos da repetição da fórmula Lula

Perigos da repetição da fórmula Lula

Por Igor Felippe, no blog Escrevinhador:

Os novos ministros escolhidos pela presidenta Dilma Rousseff, a se confirmar o vazamento antecipado pela velha mídia, apontam para a retomada da estratégia do primeiro governo Lula. A lógica do ministério nº. 1 do Lula era “abraçar” dentro do governo os conflitos da sociedade civil, indicando nomes de personalidades que representavam os diversos segmentos sociais e partidos políticos.

As escolhas de Dilma apontam para a reprodução dessa fórmula de “governo para todos”, com benefícios para banqueiros, industriais, comerciantes, latifundiários, trabalhadores urbanos, subproletariado, agricultores familiares e segmentos mais pobres.

O ano de 2002 foi marcado por uma crise do modelo econômico neoliberal, com pressão do FMI (Fundo Monetário Internacional) para manutenção dos contratos, ataques especulativos do mercado e taxa de juros Selic nas alturas, além do terrorismo midiático.

Lula era favorito na eleição presidencial, o que aprofundava o quadro de instabilidade econômica. Para frear a crise, o então candidato assumiu o compromisso de manutenção dos contratos com o mercado na famigerada Carta ao Povo Brasileiro e em reunião com a direção do FMI.

A vitória do petista representou uma derrota política do neoliberalismo e do capital financeiro internacional. No entanto, essa fração de classe se manteve forte, atuando com um braço no mercado e outro na velha mídia. Assim, mesmo com a derrota eleitoral, conseguiu circunscrever o “ameaçador” governo Lula e influenciar a política econômica, preservando seus interesses econômicos.

O time das finanças tinha o petista-financista Antônio Palocci no Ministério da Fazenda, que era o símbolo do compromisso selado na campanha com o mercado, e o banqueiro Henrique Meirelles no Banco Central. A esquipe da produção era formada pelo vice-presidente José de Alencar, grande empresário do ramo têxtil, o economista Guido Mantega no Ministério do Planejamento e economista nacionalista Carlos Lessa no BNDES.

O agronegócio tinha como seu representante o professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e quadro formulador Roberto Rodrigues, enquanto Miguel Rossetto, político gaúcho de uma tendência trotskista do PT, encarnava a pequena agricultura e a reforma agrária.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ficou sob o comando do empresário Luiz Fernando Furlan, ao passo que o Ministério do Trabalho foi destinado a Jacques Wagner, sindicalista da indústria petroquímica e fundador da CUT na Bahia.

O árbitro desse jogo era o presidente Lula, que tinha a legitimidade de ser o maior líder de massas do país e ter obtido na eleição mais de 60% dos votos, vencendo com 20 milhões de votos de diferença.

O problema é que as condições políticas, econômicas e sociais de 2014 são muito diferentes de 12 anos atrás. Por isso, é ingenuidade acreditar que a repetição da mesma fórmula terá o mesmo resultado.

1- Lula encarnou um projeto de reforma do neoliberalismo, que estava em crise. O controle do capital financeiro sobre a economia no governo FHC criou insatisfação em setores da indústria brasileira, que se aproximaram do PT. Assim, construíram juntos um programa de fortalecimento da produção, atendendo demandas da indústria e dos trabalhadores, sem mexer nos interesses do capital financeiro. Por isso, Lula fez um governo para atender todos os segmentos, aproveitando-se de um racha no seio da burguesia.

2- O PT dirigia ou exercia forte influência nas principais organizações de trabalhadores, camponeses e estudantes, além de ter um grande apelo nos setores médios, especialmente na intelectualidade progressista. A partir disso, o partido tinha hegemonia nas ruas e no pensamento.

3- A economia estava estagnada no governo FHC, com o desemprego alto e salários achatados com a falta de crescimento. O Brasil estava no fundo do poço, o que colocava para o novo governo um patamar de comparação com um período desastroso.

Agora, o quadro é bastante diferente, do ponto de vista econômico, político e social.

1- Dilma não conseguirá encarnar um governo de conciliação de classes em um quadro de inviabilidade de contemplar os interesses das frações da burguesia e da classe trabalhadora. O modelo neodesenvolvimentista implementado no último período não tem apresentado resultados, o que reaproximou capital financeiro e indústria, em contraposição aos interesses dos trabalhadores e dos mais pobres.

A fórmula de fazer um governo de conciliação em um momento de recrudescimento da luta de classes não tem chances de obter sucesso. A construção de um ministério com representação de todos os setores criará um falso cenário de conciliação, mas o governo terá que escolher um lado para enfrentar as contradições da economia brasileira.

2- O PT não tem mais a autoridade de antigamente. Houve um processo de fragmentação das organizações progressistas, que levou muitas à oposição de esquerda e outras tantas a uma posição de independência. Embora seja o partido progressista mais importante do país, não tem a mesma capacidade de apontar a direção aos sindicatos, movimentos sociais e entidades estudantis. Não tem mais o mesmo apelo nos setores médios nem na intelectualidade. Desde a crise do mensalão, a direita passou a incidir com mais força nos setores médios e, com o suporte dos velha mídia, fez uma ofensiva conservadora na batalha das ideias.

Um elemento novo na conjuntura é que, na última década, novos movimentos sociais se forjaram, sem qualquer ligação com partidos políticos, que exercem forte influência na juventude que quer mudanças sociais, mas não acredita no sistema político e no que chamam de “organizações tradicionais”.

O melhor exemplo é o MPL (Movimento Passe Livre), que já demonstrou autoridade para convocar mobilizações. No entanto, há inúmeras organizações com essa linha que atuam na área da arte, cultura, comunicação, etnias, gênero, homossexualidade, mobilidade urbana etc. Nesse quadro de fragmentação, a direita colocou uma cunha e também tem estimulado protestos de rua, como as manifestações pelo impeachment da presidenta Dilma.

Com isso, o PT não controla as organizações políticas forjadas no ciclo de lutas dos anos 80 nem têm qualquer canal de diálogo com as organizações que surgiram nos últimos anos. As forças progressistas tradicionais não têm mais a mesma unidade de programa e ação política nem possuem o “monopólio das ruas”. A direita passou a disputar as ruas e fez uma ofensiva sobre a intelectualidade também. Assim, a margem de intervenção se houver um novo processo de mobilização é quase nulo, como ficou patente em junho de 2013, que manteve um caráter progressista.

3-A economia brasileira tem enfrentado dificuldades para crescer, mas mantém o desemprego baixo e crescimento do salário. Assim, o novo governo terá como patamar de comparação um período com indicadores sociais bastante positivos. Qualquer derrapada da nova equipe econômica implicará perdas para os trabalhadores e para os mais pobres, que podem criar um clima de desestabilização. Por isso, a implementação de uma política de corte de gastos é muito perigosa.

A pergunta sem resposta é: como fazer um “governo para todos” em um período de baixo crescimento econômico, com unidade da burguesia e recrudescimento da luta de classes, sem capacidade de intervenção nas ruas e no pensamento progressista, e com uma política de ajuste fiscal?

Apenas o futuro nos dirá, mas existem elementos para questionar a viabilidade e apontar os perigos da repetição desse modelo.

Visit Website

5h
15
Diferenças entre militontos e militantes Por  Breno Altman, em seu blog:O militonto recebe as decisões da presidente da República e não admite qualquer crítica. Quem ousar fazê-lo, é aliado objetivo da direita.O militante não vacila em apoiar o governo e defender a presidente, especialmente diante da escalada reacionária. Mas não abdica do direito e do dever de pensar com a própria cabeça, criticando o que lhe parece errado na estratégia
5h
1
Aumento dos juros não reduziu inflação Do blog de Zé Dirceu:Chegamos, ao que tudo indica, à semana decisiva da indicação dos novos ministros da área econômica do futuro segundo governo da presidenta Dilma. Independente dos nomes indicados para esta equipe econômica, os problemas, um diagnóstico desse outro governo e as alternativas ainda precisam ser apresentadas e arbitradas pela presidenta.O país aguarda todo um roteiro sobre como fa
6h
13
Em defesa do programa vitorioso na urna Do site Carta Maior:Assine aqui o Manifesto em Defesa do Programa Vitorioso nas Urnas A campanha presidencial confrontou dois projetos para o país no segundo turno. À direita, alinhou-se o conjunto de forças favorável à inserção subordinada do país na rede global das grandes corporações, à expansão dos latifúndios sobre a pequena propriedade, florestas e áreas indígenas e à resolução de nosso prob
6h
5
As trapalhadas políticas do governo Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:Primeiramente, peço desculpas aos leitores pela lentidão do blog nos últimos dias. Estou no meio de uma viagem ao exterior.Nesta terça-feira, devo ficar em trânsito. Na quarta, a rotina do blog volta ao normal.Mas acompanho tudo, naturalmente.Pelo que vejo, a política brasileira continua na mesma.Só se fala em golpe.(Na verdade, a política brasileira é as
6h
4
Dilma tem a confiança do povo Editorial do site Vermelho:O triunfo eleitoral da presidenta Dilma Rousseff conquistando mais um mandato para dirigir os destinos da nação nos próximos quatro anos é um episódio elevado da vida política republicana brasileira, que há poucos dias completou 125 anos. Como temos assinalado, foi a quarta vitória eleitoral sucessiva do povo brasileiro, coroando uma fase de desenvolvimento democrático e
6h
2
A democracia em risco no Brasil Por Marcos Coimbra, na revista CartaCapital:O ano de 2014 caminha para terminar de forma preocupante na política. Não era para ser assim. Há menos de um mês, realizamos uma eleição geral na qual a população escolheu o presidente da República, os governadores dos 26 estados e do Distrito Federal, um terço do Senado, a totalidade da Câmara dos Deputados e das Assembleias estaduais.Mesmo em democraci
6h
1
Por que Dilma cozinha o Ministério? Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:O que estará fazendo o notório mau-humor de Dilma Rousseff suportar em silêncio o festival de “vazamentos” de suas decisões sobre a escolha de ministros?Será só, como se apregoa, a necessidade da espera de que o Congresso vote a mudança na Lei Orçamentária, para que a equipe econômica assuma a casa depois de arrumadas as contas?Pode ser, e é um bom motivo.Apesa
6h
12
FHC e a corrupção na Petrobras Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:Quando Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso se juntam para fazer críticas ao governo Dilma e à Petrobras, ou é sinal de que ambos estão com sérios problemas de memória, ou que não estão acompanhando as notinhas que vez por outra têm saído na imprensa amiga dos tucanosNa sexta feira (21), o ex-gerente da diretoria de Serviços da Petrobras, Pedro Bar
End of feed
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s