Responsáveis pelo assassinato de líder quilombola no Maranhão precisam ser julgados

Responsáveis pelo assassinato de líder quilombola no Maranhão precisam ser julgados

Valdinês Pinto Mendes (sobrinho de Flaviano) e Genivaldo Pereira Mendonça vestem a camisa com a foto do líder comunitário assassinado. | © Renata NederValdinês Pinto Mendes (sobrinho de Flaviano) e Genivaldo Pereira Mendonça vestem a camisa com a foto do líder comunitário assassinado. | © Renata Neder

Anistia Internacional

Flaviano Pinto Neto, líder da comunidade do Charco no Maranhão, foi morto no dia 30 de outubro de 2010. Quatro anos depois, os responsáveis pelo assassinato não foram julgados. O inquérito policial foi concluído em abril de 2011, mas até o momento a justiça não pronunciou os réus para levá-los a julgamento.

“Este caso é emblemático pois retrata as injustiças que sofrem aqueles que defendem direitos humanos no Brasil”, afirma Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional. “Com a demora em levar o caso a julgamento, o governo está negando justiça à família e se omitindo em evitar o assassinato de outras lideranças rurais”, opina.

O estado do Maranhão é cenário de muitos conflitos de terra e violência contra os trabalhadores do campo. Os dados divulgados pela Comissão Pastoral da Terra indicam que 34 pessoas foram assassinadas em decorrência de conflitos por terra no Brasil em 2013, sendo três delas no estado do Maranhão. Em 2014 – até outubro – já foram cinco lideranças rurais.

A impunidade também é alarmante. Dados da Pastoral da Terra mostram que, dos 1.600 casos de assassinatos entre 1985 e 2009, apenas cerca de 5% foram levados a julgamento.

Flaviano foi baleado sete vezes. Além de ser um líder comunitário, ele era presidente da Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Povoado do Charco. Ele era parte da luta para que sua comunidade fosse reconhecida oficialmente como quilombo e tivesse seu direito à terra garantido. Em 2012, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) concluiu o Relatório Técnico de Identidade e Demarcação. Agora, faltam os passos administrativos que dependem, em grande medida, de vontade política e priorização por parte das autoridades competentes.

“O lento avanço nas etapas burocráticas resulta em ameaças e até ataques aos membros da comunidade. Isto tem que parar. Hoje é um dia triste, pois o assassinato do Flaviano completa quatro anos. Pedimos ao governo brasileiro justiça para este caso e tantos outros como o dele”, disse Renata Neder.

Realidade dos Quilombos no Maranhão

São cerca de mil comunidades quilombolas no Estado, das quais pouco mais de 400 já tiveram o certificado emitido pela Fundação Palmares. Mas o número de comunidades que teve o Relatório Técnico de Identificação e Demarcação (RTID) concluído não chega a 10. O Charco é uma delas.

A comunidade quilombola do Charco fica na região conhecida como “Baixada” no interior do Maranhão, a pouco menos de 300 km da capital São Luís. Lá vivem, hoje, em torno de 90 famílias.

Saiba mais

A terra, a cerca e a lei. E a justiça, onde está?, artigo de Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional que esteve em missão no Maranhão em outubro.

Visit Website

35min
América Latina en Movimiento 499 – Educación popular: vigencia y desafíos (para baixar) Contenido: Transformaciones históricas de la educación popular Alfonso Torres Carrillo El modelo educativo vigente se ha agotado? Rubén Eduardo Mendoza García Sistematización, creación de conocimiento, epistemologías no eurocéntricas Elza Maria Fonseca Falkembach y Walter Frantz Una necesidad en los procesos de organización y lucha: La formación política e ideológica Adelar John Pizetta Movimiento
35min
Sabedoria Indígena: O Silêncio, por Kent Nerburn Em Resistência do Povo Terena Nós, os índios, conhecemos o silêncio. Não temos medo dele. Na verdade, para nós ele é mais poderoso do que as palavras. Nossos ancestrais foram educados nas maneiras do silêncio e eles nos transmitiram esse conhecimento. “Observa, escuta, e logo atua”, nos diziam. Esta é a maneira correta de viver. Observa os animais para ver como cuidam se seus filhotes. Observa os
35min
Estudo de Caso do UNFPA analisa a Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra População Negra e Saúde O  27 de outubro é o dia da Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra. Para marcar a data, o UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas, divulga estudo de caso realizado sobre a iniciativa, que tem como recorte o período de 2009 a 2011, quando a mobilização teve apoio técnico e financeiro do Programa Interagencial da ONU de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e E
1h
Histórico acuerdo restituye cuatro mil hectáreas a la comunidad guaraní Misiones Online Después de ocho años de negociaciones se firmó un histórico acuerdo que por primera vez reconoce la territorialidad indígena. Se trata del Lote 8 de la Reserva de la Biosfera de Yabotí (RBY), en San Pedro. Unas cuatro mil hectáreas que pertenecían a la familia Laharrague -administradora de Moconá SA- y que ahora serán titularizadas a favor de tres comunidades guaraníes que habitan
1h
La venganza del Estado contra el Baguazo Por Otra mirada A cinco años del fatídico enfrentamiento entre el Estado y los indígenas awajun-wampis, la justicia peruana sienta en el banquillo de los acusados a los “responsables” del Baguazo: los indígenas locales. De esta manera, se libra de toda responsabilidad a los actores políticos que pudieron evitar esta tragedia que terminó con la vida de 35 peruanos: el ex premier Yehude Simon la ex
1h
México: Invitan al primer encuentro de comunicadoras indígenas Encuentro se desarrollará en el Centro Cultural de España de México D.F. Los interesados pueden acceder a la ficha de inscripción haciendo clic aquí Servindi – Con la realización de talleres que abordarán, entre otros temas, las posibilidades que ofrecen las herramientas digitales para la preservación y promoción de la diversidad cultural, se llevará a cabo del 12 al 15 de noviembre el Primer enc
1h
Seminário Internacional Agrarian South: os desafios da questão agrária e da terra no Sul Global – 6 e 7/11, na UnB Seminário Internacional Agrarian South: os desafios da questão agrária e da terra no Sul Global 6 e 7 de Novembro de 2014 Local: Auditório do Novo Prédio do ICS/UnB Programação: http://www.naoexemplar.com – Enviado para Combate Racismo Ambiental por Elen Pessoa.
1h
Brasil é um dos poucos países que diminuíram diferenças sociais, diz relatório Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil Enquanto a desigualdade entre ricos e pobres

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s