EVS NOTÍCIAS.

Fabrício de Oliveira: “Choque de gestão” em Minas é uma farsa; relação entre dívida e receita pode chegar a 200%

Fabrício de Oliveira: “Choque de gestão” em Minas é uma farsa; relação entre dívida e receita pode chegar a 200%

aecio-neves-

13/10/2014 07:04

O canto de cisne do “choque de gestão” do governo Aécio Neves

por Fabrício Augusto de Oliveira*

no Brasil Debate

A verdade é que, a não ser na propaganda, em momento algum o governo de Minas conseguiu minimamente equilibrar as suas contas, tendo incorrido, em alguns anos (2003, 2008, 2010, 2013) em déficits nominais monumentais, superiores a 20% de sua receita corrente líquida

O “déficit zero”, pilar central e símbolo de um ajuste fiscal estrutural e de eficiência da gestão pública do programa do Governo Aécio Neves, no estado de Minas Gerais (2003-2010), parece ter entoado, finalmente, o seu canto de cisne em 2013.

Naquele ano, o governo de Minas conseguiu a proeza de incorrer em déficit em todos os conceitos existentes: orçamentário, primário e nominal. Se forem confirmadas as projeções contidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de 2014, de um déficit nominal de R$ 11 bilhões, neste ano poderá ser lançada a pá de cal no que dele ainda resta, pelo menos no que diz respeito à situação das finanças do estado.

Em 2013, o déficit orçamentário do governo atingiu R$ 948 milhões, o que não ocorria desde 2004, o déficit nominal R$ 8,9 bilhões, e o déficit primário R$ 86 milhões, depois de 12 anos de registro de superávits primários consecutivos (desde 1999, ou seja, desde a administração Itamar Franco).

Por isso, a dívida consolidada líquida (DCL) deu um salto no ano de mais de R$ 9 bilhões, passando de R$ 70,4 bilhões, em 2012, para R$ 79,7 bilhões, em 2013, correspondendo a 185% de sua receita corrente líquida (ECL). Dependendo do desempenho das finanças do estado em 2014, não será nenhuma surpresa se essa relação da dívida com a receita se aproximar temerariamente de 200%, que é o limite estabelecido pela Resolução n° 40 do Senado Federal, de 2001.

Por se ter vendido durante um bom tempo a imagem de uma gestão eficiente e de que se teria conseguido, em pouco tempo, sanear as finanças do estado, tal situação pode parecer decepcionante para os que acreditaram na política de marketing do governo.

Mas, a verdade é que, a não ser na propaganda, em momento algum o governo de Minas conseguiu minimamente equilibrar as suas contas, tendo incorrido, em alguns anos (2003, 2008, 2010, 2013) em déficits nominais monumentais, superiores a 20% de sua receita corrente líquida. Apenas por ter utilizado e divulgado para o público um conceito enganoso de desempenho das suas finanças – o de resultado orçamentário -, o qual infla indevidamente as receitas, de um lado, e subestima (reduz) as despesas, de outro, o governo conseguiu iludir a população sobre este feito.

Se isso de fato tivesse ocorrido, a dívida consolidada líquida do estado não teria saltado de R$ 32,9 bilhões em 2002, último ano do Governo Itamar Franco, para R$ 79,7 bilhões em 2013, um crescimento nominal de 142%.

Porque, se há alguma coisa na teoria das finanças públicas de que não se pode discordar é a que associa o aumento da dívida com as necessidades de financiamento, independentemente de onde elas surjam.

Por isso, se a dívida aumentou foi porque o estado não contou com receitas suficientes para financiar suas atividades ou para honrar seus compromissos, tendo incorrido, portanto, em déficits que foram, no caso de Minas, obliterados pelo conceito enganoso de resultado orçamentário.

Isso não quer dizer que a situação das finanças do estado após 2003 não tenha conhecido alguma melhoria. Mas o fato é que tal melhoria se explica menos pelo “Choque de Gestão” e mais pelo quadro macroeconômico bem mais favorável que se registrou a partir deste ano e se prolongou pelo menos até 2010.

Do “Choque de Gestão” guarda-se, na lembrança, o remédio amargo do congelamento dos salários do funcionalismo público, em 2003, que provocou uma queda de 5% em termos reais de seu poder aquisitivo no ano, da extinção de alguns de seus benefícios previdenciários, e do contingenciamento indiscriminado de 20% das despesas públicas, subtraindo recursos das políticas sociais.

Entre as medidas cosméticas, a fusão de algumas secretarias, que depois foram, pouco a pouco, retomando seu lugar na estrutura administrativa do estado, para atender as demandas de aliados políticos, e que, pelo menos em 2013, já eram superiores ao número existente em 2003.

Além do congelamento do salário do funcionalismo naquele ano, o maior ganho obtido para essa melhoria veio, na verdade, da expansão expressiva das receitas catapultadas pelo crescimento econômico que se prolongou pelo menos até o final da década.

Este, contudo, começou a perder força a partir da crise do crédito subprime nos Estados Unidos e da dívida soberana europeia, quando se tornou mais claro que o “Choque de Gestão” não passou de uma farsa, pelo menos do ponto de vista da situação das contas do estado.

Pode ser que os resultados finais de 2014 não venham tão ruins como tudo indica.

Afinal, o governo conseguiu que fosse aprovada na Assembleia Legislativa, numa manobra eticamente condenável, a extinção do Fundo de Previdência do Estado de Minas Gerais (o FUNPEMG), criado em 2002, e a transferência, para o seu caixa, de seu saldo de R$ 3,2 bilhões.

Mas, considerando o quadro macroeconômico adverso para este ano e para 2015, não se pode esperar ajuda de receitas mais robustas do crescimento, num contexto em que as fontes de receitas extraorçamentárias parecem ter ou estar se esgotando.

Por isso, sem contar com o alardeado, mas fictício, ajustamento fiscal estrutural do “Choque de Gestão”, e se não se beneficiar com o avanço do projeto de renegociação das dívidas dos estados, o que também não parece possível no horizonte de curto prazo, a próxima administração do estado, que terá início em 2015, pode se defrontar com uma situação financeira ainda mais crítica do que a existente em 2002.

*Doutor em economia pela Unicamp, membro da Plataforma de Política Social e autor, entre outros, do livro “Dívida pública do Estado de Minas Gerais: a renegociação necessária”, de 2012

Leia também:

Beatriz Cerqueira: Aécio transformou alunos em “consumidores” de educação

O post Fabrício de Oliveira: “Choque de gestão” em Minas é uma farsa; relação entre dívida e receita pode chegar a 200% apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

nomadruss in words and photos

photographer, wilderness guide, adventurer

Autores e Livros

Entrevistas, resenhas e afins

ROSEBUD - Arts, Critique, Journalism

A Multilingual Magazine - Rivista multilingue di politica, satira e attualità

A W E S T R U C K _W A N D E R E R

"We did not weave the web of life, we are merely strands in it. Whatever we do to the web we do to ourselves.” ― Chief Seattle. Awestruck Wanderer is written and edited by Eduardo Carli de Moraes, journalist, philosopher and musician. Write to me: awestruckwanderer@gmail.com. Cheers, fellow earthlings!

music clip of the day

jazz/blues/rock/classical/gospel/more

Herman van Bon Photography

Fine Art Photography, Napier, South Africa.

Ghardaia

Pictures, Music , Films, Illustration

Diálogos Políticos

Você sempre bem informado(a)

Ficha Corrida

... MáfioMidiático!

Aurora de Cinema Blog

Porque o Cinema é a Música dos Meus Olhos

THE DARK SIDE OF THE MOON...

Minha maneira de ver, falar, ouvir e pensar o mundo... se quiser, venha comigo...

ONGDOHUMOR --- by Pec

site de humor mordaz e satírico.

Universidade, Ciência e Ambiente

Notas e entrelinhas sobre ensino superior, pesquisa e política ambiental

Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

Bibliotecário- J. Filardo

YouArts

All Arts

SHIMA HOUSE

γνῶθι σεαυτόν

Diary of Dennis

Photography, Technology, PC Gaming, Tutorials

agroesdras

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

Blog de Vi Meirim

Photos and Texts. Tha's all.

Glamour E Cia.

É um Blog Diferenciado, Que aborda vários Temas...

Man's best friends

Only dogs will love you more than themselves

Brasdangola Blogue

Política, Direitos Humanos e Cultura Geral.

Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

GLÁUCIA SEM COMENTÁRIOS

Just another WordPress.com weblog

cosmopista

rastros de percursos em curso

Blog do Flavio Siqueira

A vida tem muitos sentidos

Raiz Africana

"A face de Deus há de ser pertubadora... pois nela encerram-se os mistérios do Universo" - Trecho do Filme "Cafundó"

carmattos

blog de Carlos Alberto Mattos

blog da kikacastro

Para leitores pensantes.

Márcia Almeida e você....

"Pensamentos...mensagens para você que procura inspiração a cada dia que passa."

Psicóloga Rosirene Tobias Branco Fonseca

Psicoterapia psicologia atendimento textos e afins.

COPACABANA EM FOCO

UM BAIRRO POPULAR

Você Antenada

Moda, Beleza, Culinária, Livros e Muito Mais !

A Arte Que Me Move

Márcia Tondello

escamandro

poesia tradução crítica

Sopa de Letras

Literatura e outros

Hum Historiador

O cotidiano através de suas lentes.

Blog do @Porra_Serra_

Twitter @Porra_Serra_

%d blogueiros gostam disto: