Brasil Debate – Governos FHC ou Lula-Dilma: quem tem responsabilidade fiscal?

Brasil Debate – Governos FHC ou Lula-Dilma: quem tem responsabilidade fiscal?

Tem assuntos que são mais difíceis para a maioria das pessoas e política econômica é um deles. Os tucanos se aproveitam disso para espalhar por aí o terror econômico e usar o medo para fazer as pessoas acreditarem que o Brasil está à beira de um colapso na economia. Eles falam como se o PSDB tivesse tudo seguro e estável nos governos tucanos. Mas vamos analisar os números?

Um artigo do Brasil Debate apresenta um comparativo entre os índices referentes à dívida pública no nosso país para mostrar, de verdade, quem é que tem responsabilidade fiscal. Em números brutos, a dívida pública mais que dobrou de 1995 a 2002, saindo de 29,5% do PIB para 60,4%. Com Dilma, saiu dos 60,4% do PIB entregues por FHC, para 34,9% em junho de 2014.

Entenda melhor abaixo:

O discurso dos economistas de Aécio, da imprensa especializada e da grande mídia em geral tratam a questão fiscal como se o Brasil estivesse à beira de um colapso. E mais: tenta-se colar no governo atual a imagem de irresponsabilidade na gestão de suas contas e, ao mesmo tempo, que o PSDB é o partido bastião da responsabilidade fiscal e austeridade. Mas quem teve responsabilidade fiscal de fato no seu governo?

Vejamos a análise dos dados fiscais.

A dívida do setor público – governo federal, estados e municípios – pode ser medida de duas formas diferentes. Na primeira, mede-se a dívida bruta do governo, que contabiliza todos os passivos do setor público. Mas se a venda de novos títulos de dívida tem como contrapartida a aquisição de ativos por parte do setor público, como é no Brasil o caso da aquisição de reservas internacionais, então parece ser menos adequado medir a capacidade de pagamento do governo utilizando a dívida pública bruta/PIB. Por esse motivo, há um segundo conceito, de dívida líquida do setor público, que desconta da dívida os ativos que as três esferas do governo possuem.

No Brasil, a relação dívida pública líquida teve duas tendências nos últimos 20 anos: a primeira foi de elevação, de 1995 a 2002, no governo FHC, quando mais do que dobrou, saindo de 29,5% do PIB para 60,4%.

A segunda foi de redução, no governo Lula-Dilma, saindo dos 60,4% do PIB entregues por FHC, para 34,9% em junho de 2014.

 

Outros indicadores fiscais relevantes, por influenciarem na trajetória da dívida pública, são os resultados primário e nominal. O balanço primário é calculado como a diferença entre as receitas totais e as despesas não financeiras, isto é, exclui-se o pagamento de juros sobre a dívida pública das despesas gerais do governo. A segunda é o balanço nominal, que inclui na conta os juros da dívida pública. 

É fácil notar que o superávit primário foi muito baixo no primeiro governo FHC, mudando de patamar após a forte crise cambial em 1999. Desde então, o governo Lula-Dilma manteve a política de superávit primário, reduziu o déficit nominal médio através da redução dos juros em relação ao governo FHC, e por consequência o volume de juros pagos relativamente ao PIB, e atingiu uma queda sustentada da relação dívida pública/PIB.

Não é muito difícil ver qual governo teve mais responsabilidade fiscal. Aliás, mais límpido impossível.

Do Brasil Debate

Visit Website

24min
13
Governo de Minas não sabe quanto gasta em rádios de Aécio com publicidade O jornal Folha de S.Paulo publicou nessa terça-feira (14) matéria em que afirma que os dados sobre o pagamento de publicidade oficial para as três rádios e um jornal controlados pela família do candidato tucano Aécio Neves não são transparentes. De acordo com o jornal, o governo do estado se recusou várias vezes a divulgar as informações. O governo até reconhece que as rádios e empresas receberam
54min
16
Mostra a Cara: o cineasta César Charlone quer Dilma de novo! César Charlone, o cineasta uruguaio que fez história ao lado do brasileiro Fernando Meirelles por filmes como “Cidade de Deus”, deixou a produtora de Meirelles em março deste ano por diferenças políticas. Enquanto o brasileiro se engajou em uma campanha antipetista, Charlone defende firmemente a reeleição da presidenta Dilma Rousseff, tanto que gravou um depoimento para o nosso Mostra a Cara. No v
54min
46
No Dia dos Professores, os educadores estão com Dilma em todo Brasil: “Nenhum direito a menos!” Dia 15 de outubro é Dia do Professor e é dia dos educadores deixarem claro que estão com Dilma e não querem retrocesso na educação! Por isso, vários eventos vão acontecer simultaneamente pelo Brasil, nesta quarta, às 16h. Em São Paulo, Dilma se reúne com professores no Club Homs, na Avenida Paulista, 735, Bela Vista. Em outros 11 estados, de Norte a Sul, acontecerão eventos de apoio (veja abaixo).
54min
28
Derlon Almeida está com Dilma O grafiteiro pernambucano Derlon Almeida, considerado pela crítica espcializada como uma das expressões mais brasileiras na arte de rua, com trabalhos expostos em Londres, Paris e Amsterdã, também tem feito bonito na área da política. Derlon está com Dilma Rousseff e tem atuado na rede de maneira firme em defesa da reeleição da presidenta Dilma. Derlon já declarou: “Sou Nordestino, sou Pernam
54min
2
Encontro entre Dilma e Roberto Amaral, presidente do PSB, apoia Dilma Tenho a honra de ter o apoio do líder socialista Roberto Amaral #Dilma13DeNovo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s