Dilma deve flexibilizar Lei de Licitações se for reeleita

5h
15
Aécio perdeu para abstenções e votos nulos e brancos O Brasil é composto por 203.235.727 pessoas. São 142.822.046 eleitores. Votaram dia 5 de outubro 115.122.883 eleitores. São 104.023.802 votos válidos. Não votaram, ou seja, se abstiveram 27.698.475 eleitores. A presidenta Dilma Rousseff (PT) recebeu 43.267.668 votos (41,59%). Aécio Neves (PSDB) recebeu 34.897.211 votos (33,55%). Marina Silva (PSB) recebeu 22.176.619 (21,32%). Luciana Genro (PSOL)
Dilma deve flexibilizar Lei de Licitações se for reeleita

200px-Dilma_Rousseff_-_foto_oficial_2011-01-09

Na Folha de S. Paulo de ontem

Governo tentará unificar as normas existentes para agilizar concorrências

Servidores do Executivo dizem que o RDC reduz o tempo da concorrência e diminui as chances de combinação de preços

NATUZA NERYDIMMI AMORADE BRASÍLIA

Para acelerar obras no país em um eventual segundo mandato, o governo Dilma Rousseff prepara uma reforma nas leis de licitação pública em busca de um modelo mais flexível de contratação.

Segundo a Folha apurou, a ideia é unificar em um único texto as várias normas existentes, reduzir os tempos da concorrência e oferecer obras e serviços com maior qualidade e melhores garantias tanto para os contratados quanto para os contratantes.

Com a mudança, o Palácio do Planalto quer melhorar o ambiente regulatório para destravar e baratear projetos. No cenário de aperto fiscal previsto para os próximos anos, a desburocratização é vista como alternativa para burlar limitações de caixa.

Nas discussões internas, fala-se em ampliar prazos de contratos de prestação de serviços, como segurança e limpeza, por exemplo. Hoje, o limite é de cinco anos, sem prorrogação.

Em alguns tipos de contratos, o governo avalia que trazer uma nova companhia em um espaço curto de tempo causa mais problemas que benefícios à administração.

O Executivo também tenta encontrar uma forma de melhorar a seleção das empresas, utilizando critérios mais rigorosos de qualificação para evitar que as contratadas entreguem serviços e obras de má qualidade por falta de condições técnicas.

Há algumas semanas, a Casa Civil passou a coordenar uma série de reuniões para reformar a lei de licitações, de 1993, e unificar as múltiplas normas em vigor. Uma proposta fechada será levada para a presidente Dilma Rousseff após as eleições. Sua execução, naturalmente, dependerá do resultado da sucessão nacional.

Para mudar a Lei de Licitações, os técnicos do governo se inspiram no RDC (Regime Diferenciado de Contratação), um mecanismo de contratação inicialmente adotado para acelerar as obras da Copa e, posteriormente, ampliado para as ações do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Segundo funcionários do Executivo que tratam do tema ouvidos pela Folha, a avaliação é que o RDC reduz o tempo da concorrência, pois evita a possibilidade de sucessivos recursos para protelar o anúncio do vencedor da disputa. Outra vantagem atribuída é que os orçamentos são sigilosos, diminuindo as chances de combinação de preços entre empresas.

Por outro lado, críticos dizem que o formato abre brechas para projetos mal executados e que, neste sistema, a responsabilidade de contratação do projeto de uma obra fica a cargo da empresa vencedora, e não do governo.

A ideia de ampliar o escopo do RDC partiu de uma experiência considerada bem sucedida no Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O órgão, desde 2012, praticamente só licita pelo RDC e conseguiu, neste ano, acelerar a execução de contratos.

Desde os tempos da Casa Civil, Dilma já apontava para a urgência de mexer na lei de licitações. O desejo, porém, sempre esbarrou na resistência do Congresso Nacional. Lá, diversas propostas do gênero tramitam há anos e sofrem pressão de muitos setores econômicos.

Em 2013, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), criou uma comissão para rever a lei. O Planalto, porém, se assustou com a quantidade de emendas e com o fato de, em alguns casos, haver o risco de beneficiar setores empresariais em detrimento da melhora do ambiente regulatório.

Por causa disso, o governo preferiu fazer um texto próprio. Em campanha, Dilma ainda não analisou o tema. O projeto só será encaminhado depois da eleição.

Novo regime agilizou as obras, mas é alvo de críticas

DE SÃO PAULO

Mais flexível que a Lei das Licitações, de 1993, o RDC (Regime Diferenciado de Contratações) reduziu em dois terços a demora para concluir as obras, mas, pelo menos nas reformas dos aeroportos, não resultou em redução de custos, como se esperava.

Em junho de 2011, sob pressão do governo, o Congresso aprovou o RDC para obras da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016. A ideia era agilizar as construções, que estavam atrasadas. Em 2012, o governo obteve autorização do Legislativo para usar o RDC nas obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Mais tarde, o governo editou uma medida provisória na Câmara que permitia a extensão do RDC para a construção de presídios. Mas, durante a tramitação na comissão especial, a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR) apresentou uma emenda, que foi aprovada pelos demais parlamentares, estendendo o RDC a todas as licitações e contratos do governo federal, dos Estados e dos municípios.

Os senadores rejeitaram a mudança e retomaram o texto original. Como já havia sido aprovado pelo plenário da Casa, a Câmara não podia propor mudanças. O plenário da Câmara aprovou a medida provisória em maio.

Ficou então acertado entre os parlamentares que a extensão do RDC para as demais obras públicas seria debatida durante a reforma da Lei das Licitações (lei nº 8.666).

O RDC vem recebendo muitas críticas de associações de engenheiros e construtores, porque o orçamento feito pelo governo só é divulgado após o término da licitação, junto ao valor oferecido pelo vencedor.

Outros especialistas criticam o modelo porque ele permite a contratação da obra sem a apresentação do projeto, que será feito pela empreiteira depois de vencida a licitação. Isso fragilizaria a capacidade do poder público de planejar projetos de qualidade e gerenciar as obras.

Visit Website

8h
100+
Manifesto dos Juristas em apoio à Dilma 13 será lançado em Curitiba na 4ª feira Na quarta-feira (8), 19h, será lançado em Curitiba no Hotel Mercure o Manifesto dos Juristas, Professores Universitários e Estudantes de Direito em apoio à reeleição da Presidenta Dilma Rousseff (PT), que ja tem a assinatura do Prof. Dr. Celso Antônio Bandeira de Mello, o maior jurista do Direito Administrativo brasileiro, assim como vários outros grandes juristas, advogados e professores de Dire
End of feed

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s