Somos todas mulheres de Queimadas (PB): acusado de ser o mentor de estupro coletivo vai a júri dia 25

Somos todas mulheres de Queimadas (PB): acusado de ser o mentor de estupro coletivo vai a júri dia 25

Marcha Mundial das Mulheres

Na próxima quinta-feira, dia 25 de setembro acontecerá o júri de Eduardo dos Santos Pereira, o acusado de ser o mentor da barbárie ocorrida em Queimadas, na Paraíba, em fevereiro de 2012.
1908091_345207602314432_7608333339003999432_nNesta lamentável ocasião, cinco mulheres foram estupradas por dez homens – dentre eles três adolescentes. Duas delas foram assassinadas por reconhecerem os estupradores: Isabela Pajuçara (27 anos) e Michelle Domingos (29). O crime foi “oferecido” por Eduardo a seu irmão Luciano como presente de aniversário e planejado com ao menos uma semana de antecedência, havendo o conhecimento de todos os homens envolvidos. Um típico enredo de filme de terror: foram compradas cordas, fitas adesivas, máscaras entre outros acessórios para a tortura e destruição física dessas mulheres.
Ainda em 2012, seis dos autores foram condenados por estupro, cárcere privado e formação de quadrilha, a uma pena que se fosse somada corresponderia a 186 anos de prisão e os adolescentes envolvidos iniciaram o cumprimento das respectivas medidas sócio-educativas.  O último réu a ser julgado é Eduardo dos Santos Pereira, acusado de ter sido o idealizador do crime e executor das vítimas assassinadas.
Estupros coletivos, como o acontecido em Queimadas, são manifestações extremas do machismo. Desde então, infelizmente, outras notícias de violências deste tipo continuaram a aparecer na mídia: a acusação da Banda New Hit na Bahia, os casos ocorridos na Índia, entre outros tantos. Além disso, o contexto de violência contra as mulheres na cidade de Queimadas é crítico; no mesmo ano ocorreu o estupro e assassinato da estudante Ana Alice de Macedo (16 anos).
Desde que a Marcha Mundial das Mulheres começou atuar no caso – há dois anos e meio – verifica-se relatos constantes de uma cultura de violência combinada com silêncio e medo em Queimadas. Exemplo disso é que ainda hoje as famílias das vítimas são hostilizadas na cidade por pessoas ligadas aos autores do crime. Existe um discurso violento e depreciativo que busca legitimar essa barbárie, ao sugerir que as vítimas fossem prostitutas ou que mereceriam o acontecido por simplesmente terem comparecido à suposta festa de aniversário num domingo à noite!
Apesar da pouca atenção da imprensa, os movimentos feministas e de mulheres foram fundamentais para dar visibilidade ao caso, pressionar e demonstrar a indignação diante da violência contra as mulheres, fato reconhecido pelas famílias das vítimas.
Em memória das mulheres brutalmente assassinadas e em defesa da vida de todas nós, é importante que este crime não seja esquecido, e gritemos ao mundo que jamais permitiremos que a violência contra as mulheres seja naturalizada. Para isso, as mulheres pedem que todas e todos possam utilizar as redes sociais dizendo:
#SOMOSTODASMULHERESDEQUEIMADAS
QUEREMOS #JUSTIÇAPARAASMULHERESDEQUEIMADAS
Para entender mais sobre o crime veja o vídeo exibido no Programa do Fantástico em 19/02/12
.

Visit Website

25min
Há esperança, mas não para nós – Fátima Bernardes, Miguel Falabella, Carlinos Brown e as negas Há esperança, mas não para nós – Fátima Bernardes, Miguel Falabella, Carlinos Brown e as negasFÁTIMA BERNARDES, MIGUEL FALABELLA, CARLINHOS BROWN E AS NEGAS1. Naquela oportunidade da entrevista com a patricinha fanática por seu clube não havia nenhum negro para participar do debate sobre o episódio de racismo contra Aranha, já no programa em questão, além do percussionista baiano, a plateia estava
45min
“não é estupro, é sexo surpresa”: Estudantes da UFMG fazem apologia ao estupro e geram revolta em BH “não é estupro, é sexo surpresa”: Estudantes da UFMG fazem apologia ao estupro e geram revolta em BH Grupo teria cantando músicas de cunho machista dentro de um bar; repercussão negativa da “farra” causou incômodo na internetFERNANDA VIEGASUm grupo de estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foi flagrado tendo uma atitude, ao menos, machista ao minimizar o estu
1h
Candidatos defendem medidas de combate à violência doméstica Candidatos defendem medidas de combate à violência domésticaA garantia dos direitos das mulheres é outra pauta defendida pelos candidatos à
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s